Dinheiro não compra felicidade, nem qualidade!

16 10 2007

In Rainbows

– Eu odeio sol, ou não ?.

– Quase na estréia de nosso blog “Descuidistas”, trato nesse primeiro post de vários temas, mais na verdade o mesmo conceito, erros e acertos com ou sem orçamento!

Ao mesmo tempo que possui lugar cativo entre as bandas mais relevantes da atualidade, o Radiohead consegue ser “low profile” e discreto. Mas semana passada foi diferente. Depois de 4 anos sem gravar, o grupo lançou “In Rainbows”, seu 7º disco, e virou assunto mundial; não apenas pela qualidade excelente (reconheço não ter ouvido tudo, mais o pouco que vi, ou melhor ouvi, eu gostei) mas pela maneira como ele foi lançado. Vendido unicamente pelo site da banda, o cliente paga o quanto quiser pelo download. E pagar “nada” é uma das opções do site. Pelo visto, a única caixa que não vai fazer barulho é a registradora.

Levando em conta o calibre do Radiohead, o tempo de preparo do álbum é o “buzz” da estratégia, era previsível que “In Raibows” seria um sucesso. Dois dias após ser lançado, o disco já contava com mais de 1.3 milhões de downloads. Sem dúvida, o disco vai se pagar e ainda dar lucro. Só mesmo para os donos das gravadoras que o barato vai sair caro.
Mais, o melhor de tudo é que, se você não gostar, na maioria das vezes não precisa nem pedir o dinheiro de volta.

É complicado para mim dizer que o álbum pode ser a obra-prima da banda, mais que eles ganharam um “Ok Computer” no currículo eles ganharam, a solução criada para a questão da pirataria foi boa, ah! isso foi. Nosso amigo Padilha e sua Tropa de Elite poderia tentar algo do tipo, já que pelo visto nem o BOPE deu conta dos vendedores piratas…

Agora mais para os lados tropicais do globo, em foco na região dos grandes lagos, algo tem me assombrado, uma faculdade, ou melhor a União das Faculdades Integradas de Mirassol, UniFAIMI (sim unidas e integradas!) esta com seu processo seletivo aberto, como se em algum período não estivesse, mais o que me incomoda mesmo é sua campanha de divulgação, meu deus, uma serie de outdoors verdes, que por cristo, não dizem nada. De difícil leitura, nenhum conceito, projeto gráfico inexistente, falar em semiótica seria pura arrogância… agora caros leitores eu pergunto, como o núcleo de design permite que o nome da instituição que eles carregam sejam jogado em um pântano verde tão facilmente.

O Negócio mesmo é aderir a moda do Vampirão e seus súditos e sair derrubando todos os outdoors, mesmo parecendo brincadeira a moda chegou no interior, e a coisa ta “punk” para o lado dos publicitários que vão ter que bater o cabelo pra fazer alguma coisa dar certo. É bom, pois como dizem por aí, só os bons sobrevivem. E por falar em sobrevivência: e esse calor “dusinfernus”?, Pára o mundo que eu quero descer. Orai e vigiai, o fim se aproxima. E não vai ser festa privê. Todos estão convidados.

by Lucas Maluli